Gestão ambiental

icone_eletropaulo_eficiencia

GRI G4 EN27

Para fornecer energia elétrica com qualidade e segurança, nossas atividades consomem recursos naturais e geram impactos ambientais. Estamos sempre atentos aos riscos de tais impactos para o bem-estar e a saúde da população, e dedicamos esforços para adotar as melhores práticas na gestão ambiental.

Possuímos um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) com foco na prevenção, mitigação e controle de impactos ambientais negativos decorrentes de nossas operações. Para alcançar melhores resultados, estabelecemos metas e investimos na padronização e na melhoria de processos operacionais das atividades com maiores riscos ao meio ambiente. Nosso SGA também contempla a gestão de fornecedores em aspectos ambientais e o atendimento à legislação ambiental na cadeia de valor.

As ações ambientais são direcionadas pelos seguintes documentos:

  • Política de Sustentabilidade da AES Brasil.
  • Política ambiental da AES Corp.
  • Diretrizes da certificação ISO 14001:2004. Em 2015, foi realizada a auditoria de manutenção, de forma integrada com o Sistema de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho, pela certificadora ABS Quality Evaluations. O resultado foi o de “zero não conformidade”.

Realizamos reuniões mensais com a participação da liderança e dos principais fornecedores para a análise crítica de nosso desempenho e tomada de decisão.

Os principais impactos ambientais que podem ser causados por nossas operações, assim como as respectivas ações de mitigação, estão neste capítulo.

Em 2015, investimos R$ 75,7 milhões em melhoria de processos e novas tecnologias, licenciamento ambiental, eficiência energética, entre outros itens.

GRI G4-EN31

Investimentos e gastos com proteção ambiental (R$ mil) 2013 2014 2015
Custos diretos – Gerência de Meio Ambiente 7.279 3.488 6.755
Sistema de Gestão Ambiental (SGA) e outros 1.494 1.703 2.093
Licenciamento e compensações ambientais 1.760 4.473 3.771
Recuperação da qualidade do solo e águas subterrâneas 13.776 21.019 8.615
Adequações ambientais e prevenção à poluição 4.056 17.868 6.917
Treinamentos operacionais 26 29 41
Comunicação 19 17
Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento 20
Projetos de eficiência energética 57.260 47.570 47.511
Total 85.690 96.167 75.702


GRI G4 EN29

A AES Eletropaulo não recebeu multas significativas relativas ao desempenho ambiental em 2015. ¹

¹ Critério de significância: acima de R$ 1 milhão, ou que estejam associados à influência na tomada de decisão dos investidores, ou que prejudiquem a imagem da empresa, em conformidade com o que é divulgado em relatórios a investidores externos.



Licenças ambientais

Em 2015, obtivemos 14 novas licenças e autorizações ambientais como parte de um processo alinhado aos prazos do plano de obras da AES Eletropaulo. Em decorrência das licenças obtidas, firmamos novos compromissos de recuperação ambiental e promovemos, em 2015, a recomposição florestal por meio do plantio de 9,5 hectares.

Em 2014, firmamos compromisso similar para cumprimento dessa obrigação com o plantio de 50,72 hectares em áreas da AES Tietê, que ao final de 2015 estavam em manutenção.

Remediação e vazamentos

Nossos processos de regularização ambiental de instalações elétricas e prediais contemplam uma avaliação da qualidade do solo e de água subterrânea, acompanhados pela CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), e desenvolvidos conforme procedimentos estabelecidos pelo órgão ambiental e pela legislação.

Em 2015, demos continuidade aos processos de investigação ambiental iniciados no ano anterior, devido à ampliação do sistema elétrico e aos planos de compra e venda de imóveis da AES Eletropaulo, que geraram necessidade de remediação e/ou monitoramentos. Também realizamos ações de remediação ambiental em oito imóveis (dos quais seis foram encerrados e dois estavam em andamento ao final do ano), além de estudos de investigação e monitoramento em outros 44 imóveis.

Os investimentos nos processos de estudos ambientais e remediações totalizaram cerca de R$ 4 milhões.

GRI G4 EN24

A contaminação do solo e da água por vazamento de óleos utilizados na rede elétrica é um dos principais impactos ambientais que nossa operação pode oferecer. Para mitigar este risco, definimos procedimentos específicos e realizamos as seguintes ações de maneira permanente:

  • Conscientização de colaboradores e prestadores de serviços;
  • Proteção de área de trabalho;
  • Inspeções periódicas;
  • Modernização de equipamentos e instalações.

Dois vazamentos foram registrados em 2015, sendo um na Linha de Transmissão Subterrânea ETR/ETD VFO (0,805 m3 – óleo Linear Alquilbenzeno) e outro na Linha de Transmissão Subterrânea ETD Tucuruvi (5,230 m3 – óleo Linear Alquilbenzeno). Os vazamentos atingiram superficialmente o solo e foi necessária a raspagem e destinação do solo impactado.

Manejo de vegetação

Dedicamos grande atenção ao cuidado na poda de árvore, um tipo de manutenção preventiva prioritária na ampliação e manutenção do sistema elétrico para melhoria da qualidade de nossos serviços.

Um dos principais impactos ambientais de nossa operação é a alteração da característica natural da paisagem e/ou da vegetação, que ocorre pela necessidade de adaptação do nosso sistema elétrico às árvores que apresentam possíveis riscos de interferências. Estamos constantemente em busca de soluções para eventuais conflitos entre nossa rede elétrica e a arborização urbana, pois entendemos a relevância da gestão da vegetação na ordenação dos espaços e na qualidade de vida das pessoas.

Realizamos ações em diferentes frentes:

  • Orientação com base em manuais e procedimentos internos de poda focados em garantir o equilíbrio e a saúde da árvore. Em 2015, participamos da redação de uma norma brasileira de manejo de vegetação, lançada pela ABNT.
  • Capacitação e conscientização de colaboradores próprios e prestadores de serviço aptos a realizar a atividade de poda – os “eletroarboristas”.
  • Monitoramento da qualidade da poda, de acordo com definições técnicas indicadas nos termos legais.
  • Gestão do resíduo de poda realizada por equipes contratadas, que enviam os resíduos para locais homologados e que realizam o seu reaproveitamento para biomassa ou compostagem. Em 2015, os resíduos de poda gerados pelas atividades de equipes de emergência da AES Eletropaulo também passaram a ter o mesmo tipo de destinação.
  • Proposta realizada pelo Comitê de Meio Ambiente da FUNCOGE e AES Eletropaulo, para a implementação de um sistema de Certificação do Profissional Podador em Sistemas Elétricos de Potência (SEP) para formar profissionais capazes de planejar, orientar e executar os serviços de poda de árvores em sistemas elétricos de potência.

Também participamos em seminários técnicos e outros eventos para compartilhamento de nossa experiência no manejo da arborização urbana com outras entidades que realizam esse serviço, como prefeituras, Corpo de Bombeiros e centros de pesquisas.

Ecoeficiência

Água

Meta Resultado em 2015
Reduzir em 10% o consumo próprio de água por colaborador até 2019 A redução no consumo por colaborador foi de 19% em relação a 2014, devido ao volume de contratações de novos colaboradores realizadas no segundo semestre de 2015.


As principais medidas para reduzir o consumo de água, em 2015, foram a utilização de água de reuso, que viabilizou um reaproveitamento de 11.778 m³ na sede da empresa.

GRI G4 EN8 | EN10

Consumo de água 2013 2014 2015
Rede pública de abastecimento 103.850,00 83.780,00 60.764,49
Água de caminhões-pipa 0,00 782,60 7.505,05
Volume total de água retirada de fontes hídricas (m³) 118.287,00 84.563,00 68.269,53
Volume total de água reciclada/reutilizada (m³) 11.777,80
Percentual de água reciclada/reutilizada em relação ao volume total de água retirada de fontes hídricas (%) 12% 12% 17%



Em 2015 realizamos uma série de ações de contingência para lidar com a crise hídrica no Estado de São Paulo. As principais foram:

  • Sistema de captação de água na base operacional 25 de Janeiro com potencial de economia de 35 mil litros de água potável por ano com a irrigação dos jardins.
  • Instalação de redutores de vazão nas torneiras das bases operacionais.
  • Criação de equipe dedicada a manutenções corretivas.
  • Utilização de equipamentos específicos para identificação de vazamentos subterrâneos em caso de aumento repentino no consumo de água.
Projeto “ROI em Sustentabilidade”

Em 2015, participamos de uma iniciativa pioneira do GVCes (Centro de Estudos em 
Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas) e da organização alemã GIZ, que capacitou 
empresas para calcular o retorno financeiro de seus projetos de sustentabilidade. A AES foi 
uma das sete empresas participantes, com o case sobre análise de diferentes alternativas 
de projetos para o uso eficiente de água em suas bases operacionais. A ferramenta 
desenvolvida permite mensurar o retorno financeiro de diferentes projetos em cenários 
diversos, e apoia o cumprimento da meta de redução de consumo de água por colaborador definida
 em nossa estratégia. Além disso, tem alto potencial de replicação para outras metas ligadas 
a ecoeficiência nas empresas da AES.

Energia

GRI G4 EN3

Energia elétrica

Metas Resultado em 2015
Reduzir em 10% o consumo próprio de energia elétrica por MWh distribuído até 2019 O consumo de energia elétrica por MWh distribuído aumentou 3,6% em relação a 2014.


O consumo interno de energia elétrica na AES Eletropaulo foi de 40,2 GWh, uma redução de 1% em relação a 2014 que tem como principais motivos:

  • Campanhas internas de conscientização e mudança de cultura realizadas junto a colaboradores próprios e contratados, nas bases operacionais e nos escritórios.
  • Desligamento parcial de iluminação de andares da sede administrativa, no período noturno e nos finais de semana.
Consumo total de Energia Elétrica (GWh) 2013 2014 2015
42,93 40,7 40,2



Combustíveis

Os combustíveis utilizados na frota e nos geradores também são recursos energéticos relevantes e recebem uma atenção especial na busca por maior eficiência.

Na gestão da frota, acompanhamos e incentivamos o consumo de combustível renovável, com base na sua viabilidade econômica. Cerca de 100% dos veículos leves e flex de nossa frota é abastecida com etanol.

Além disso, alguns investimentos contribuem para evitar ou reduzir deslocamentos, a exemplo da automação de processos e comandos remotos na infraestrutura de redes inteligentes e do atendimento operacional realizado pelas equipes de motoeletricistas.

O volume de combustíveis consumido em 2015 equivale a 117.492,68 GJ¹.

Consumo de combustível (litros)
Tipo de combustível 2014 2015
Diesel 2.205.225,11 2.167.427,14
Gasolina 37.753,64 31.871,95
Etanol 1.929.279,38 1.871.678,53
Total 4.172.258 4.070.978

¹ Fonte utilizada para os fatores de conversão: Balanço Energético Nacional 2015.
GJ = Gigajoules


Resíduos

GRI G4 EN23

Metas Resultado em 2015
Reciclar, recuperar ou reutilizar 70% dos resíduos até 2019 O índice de reciclagem, recuperação ou reutilização de resíduos atingiu 64% no ano.


A geração de resíduos de obras provenientes da manutenção e ampliação da rede está entre nossos principais impactos ambientais. Além disso, as atividades consomem recursos como cabos, postes, ferragens metálicas, isoladores e transformadores, entre outros itens. Antes de descartar esses materiais, verificamos a possibilidade de sua reutilização, recuperação ou reciclagem.

A destinação de resíduos pela AES Eletropaulo está de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos. As empresas receptoras de resíduos estão entre os fornecedores mais críticos da empresa e, por esse motivo, realizamos um processo de homologação por meio de auditorias periódicas e acompanhamento de atividades em campo.

Incentivamos as construtoras contratadas para aplicarem técnicas de reciclagem e apoiamos a identificação de fornecedores com tecnologias próximas aos locais de obras para aumentar a destinação para reciclagem.

Principais resíduos gerados pela AES Eletropaulo:

  • Não-perigosos: sucata metálica, entulho, resíduos de poda e resíduo comum.
  • Perigosos: óleo, resíduos impregnados com óleo, baterias, lâmpadas e resíduos impregnados com tinta.
Equipamentos com Ascarel (Óleo PCB)

A AES Eletropaulo monitora o teor de PCB (bifenila policlorada) de seus equipamentos elétricos 
desde 1997, realizando o tratamento e descarte ambientalmente adequados de equipamentos 
que estejam contaminados.Contamos com um laboratório químico equipado com cromatógrafo 
gasosopara realização das análises de PCB, garantindo o monitoramento necessário para 
o atendimento ao Protocolo de Montreal.

As principais medidas que contribuíram para o índice de reutilização, recuperação ou reciclagem foram a destinação de postes de madeira e concreto, entulho de obra de expansão, resíduos de poda de árvore e ferragens metálicas para reutilização e/ou reciclagem, o que evitou o envio de tais resíduos para aterros sanitários.

O aumento das atividades de poda contribuiu para o crescimento do volume dos resíduos decorrentes dessa ação em 47%, quando comparado a 2014.

Também executamos a remediação ambiental de seis passivos, gerando resíduos não perigosos da ordem de 9.037 toneladas e 746 toneladas para Resíduo Classe I, destinando-os para aterro. Também foram destinadas para aterro cerca de 4.176 toneladas de resíduos de entulho de limpeza de faixa de servidão (áreas da AES Eletropaulo sob as linhas de subtransmissão). Os resíduos gerados por estes passivos ambientais representam 24% do volume total gerado em 2015.

Resíduos não perigosos (t) ¹ 2013 2014 2015
Reutilização 715 1.882 1.296
Reciclagem 37.999 26.145 20.693
Recuperação 91 30 4
Incineração (ou uso como combustível) 1.470 2.594 3.770
Aterro sanitário 21.141 104.251 28.357
Total 61.416 134.901 54.120
Resíduos perigosos (t) 2013 2014 2015
Reciclagem 54 993 807
Recuperação 318 634 785
Incineração 54 114 185
Aterro 3.624 10.073 755
Co-processamento 195 82 456
Descontaminação PCB 279
Total 4.525 11.897 2.988

1 Para os resíduos que não são pesados, são aplicados fatores de conversão de volume para peso estimados pela empresa, assim como se utilizam dados fornecidos pelas empresas contratadas responsáveis pela disposição dos resíduos.