Segurança

icone_eletropaulo_eficiencia

Segurança é o valor número 1 da AES. Reduzir a ocorrência de acidentes com colaboradores, prestadores de serviço e com os mais de 20 milhões de habitantes dos municípios atendidos pela AES Eletropaulo é nosso compromisso mais importante. Para isso, nossa estratégia prioriza a antecipação aos riscos e ações preventivas que proporcionem as melhores condições de segurança para todos.

Meta Resultado em 2015
Zero acidente fatal com colaboradores próprios e contratados Duas fatalidades com colaboradores contratados, relacionadas a um acidente de trânsito.
Reduzir em 10% as taxas de frequência e de gravidade com colaboradores próprios e contratados em 2015 Incremento das taxas de frequência com colaboradores próprios e contratados em relação a 2014.
Zero acidente fatal com a população 16 fatalidades com a população foram registradas no ano.
Reduzir em 10% os acidentes com a população em 2015 Aumento de 32% no número total de acidentes com a população, em relação a 2014.

 

Segurança da força de trabalho

Para garantir a confiabilidade e a segurança do fornecimento de energia elétrica é imprescindível que a força de trabalho esteja segura para realizar suas funções. O maior risco de acidentes é o de choque elétrico no contato com a rede. Para inibi-lo, trabalhamos com um Programa de Segurança que qualifica os nossos profissionais para o trabalho de campo e, dessa forma, proporciona um ambiente mais seguro.

Nossas iniciativas de segurança são baseadas em diretrizes globais da AES Corp., na Política de Sustentabilidade da AES Brasil e no Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (SGSSO), cujos requisitos estão de acordo com as especificações da Occupational Health and Safety Assessment Series (OHSAS, sigla em inglês) 18.001:2007, uma norma internacional com foco na saúde e na segurança do trabalho. Em 2015, foi realizada a auditoria de re-certificação pela certificadora ABS Quality Evaluations.

GRI G4 LA5
A AES Eletropaulo conta com os seguintes Comitês de Segurança:

  • Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA): desde colaboradores da base (eletricistas, leituristas) até diretores, indicados e eleitos. 100% dos colaboradores estão representados pela CIPA, considerando-se que parte dos membros são definidos por eleição;
  • Comitê por Diretorias da AES Eletropaulo: composto por coordenadores, gerentes e diretores indicados;
  • Comitê Integrado da Alta Administração do Sistema de Gestão Integrada: composto por gerentes, diretores e Vice-Presidentes indicados;
  • Comitê de Segurança do Trabalho AES Brasil: composto por gerentes, diretores, e Vice-Presidentes indicados;
  • Comitê de Sustentabilidade AES Brasil: composto por Vice-Presidentes e o Diretor-Presidente.

Indicadores de segurança

GRI G4LA6

Saúde e segurança no trabalho 2013 2014 2015
TF (taxa de frequência)1 – colaboradores próprios 4,36 4,68 5,54
TF (taxa de frequência)1 – contratados 3,89 2,45 5,04
TG (taxa de gravidade)2 – colaboradores próprios 38 71 52
TG (taxa de gravidade)2 – contratados 14 30 1353
Acidentes fatais – colaboradores próprios 0 0 0
Acidentes fatais – contratados 0 0 2
Acidentes de trabalho com e sem afastamento – colaboradores próprios 52 57 68
Acidentes de trabalho com e sem afastamento – contratados 50 28 46
Dias perdidos/debitados – colaboradores próprios 449 866 634
Dias perdidos/debitados – contratados 186 351 12.879

1 Taxa frequência (TF): expressa o nº de acidentes projetado para um milhão de horas-homem de exposição ao risco.
2 Taxa de gravidade (TG): expressa, em número de dias, a perda de tempo resultante dos acidentes ocorridos em um milhão de horas-homem de exposição a risco, reportada de acordo com a NBR14.280.

Apesar dos esforços contínuos da AES Eletropaulo para manter um ambiente de trabalho seguro, em 2015, foi registrado um acidente de trânsito envolvendo uma equipe contratada e que resultou em duas fatalidades. A equipe deslocava-se com um caminhão tipo cesta aérea em direção à base operacional quando o motorista perdeu o controle do veículo devido à não utilização do dispositivo de segurança (freio-motor). A perda de controle do veículo resultou em seu tombamento lateral.

Além desse evento, houve incremento das taxas de frequência com colaboradores próprios e contratados em relação a 2014, resultado de pequenos eventos em termos de lesão. Nenhum evento foi relacionado à interação com energia elétrica.

Programa de segurança

Criado para fortalecer a cultura de segurança e diminuir os riscos de acidentes com os nossos colaboradores, o Programa de Segurança da AES Eletropaulo teve as seguintes ações como destaque em 2015:

  • Segurança Baseada no Comportamento: um colega observa o outro na realização de suas atividades. Se algum procedimento for realizado de forma insegura, o observador é orientado a corrigir a ação do colaborador em ação.
  • Campeões de Segurança: líderes que se destacam pela sua atuação em prol da segurança são indicados pelos demais líderes da empresa e suas ações seguras são compartilhadas com todos os colaboradores. Em 2015, seis Campeões de Segurança foram indicados pela AES Eletropaulo.
  • Falando com Segurança: um canal de comunicação por meio do qual todos os colaboradores, de forma anônima, podem relatar qualquer assunto que demande alguma ação para prevenção de acidentes ou em prol da saúde e do meio ambiente nas operações.
  • Visitas de segurança: nas “caminhadas de segurança”, gestores de todos os departamentos da AES verificam as condições de segurança de uma atividade, assim como nas “inspeções de segurança”, que são realizadas pela supervisão operacional. Durante as visitas são passadas orientações aos colaboradores sobre comportamentos positivos e pontos a serem melhorados.

Os eventos registrados em 2015 demandaram maior atenção sobre a redução da frequência de acidentes e para o reforço dos princípios e da cultura de segurança em todos os níveis operacionais. Por isso, definimos um plano de ações estratégicas adicionais ao nosso Programa de Segurança, em aspectos de processos, coleta de dados reporte e análise de eventos, tecnologia, gestão de contratadas e treinamentos.

Em 2016, será iniciado um novo ciclo estratégico para o tema de segurança na AES, com base nos desafios observados nos últimos anos e lições aprendidas. O plano contempla ações nos seguintes aspectos:

  • Novas tecnologias voltadas para a segurança dos processos operacionais;
  • Comportamento, com foco na aplicação de estratégias da psicologia do trabalho;
  • Incremento das ações dedicadas à gestão de empresas contratadas.

 

Novos colaboradores

GRI EU17 / EU18

As atividades de maior risco para os colaboradores contratados pela AES Eletropaulo são 
categorizadas como serviços no sistema elétrico de potência - construção, manutenção e/ou 
operação – que, em 2015, totalizaram 7.111.467 horas trabalhadas. Todos os colaboradores 
contratados nessa categoria recebem treinamentos  periódicos em saúde e segurança.

Desenvolvemos um planejamento especial para integrar os novos eletricistas próprios nas equipes de campo que iniciaram suas atividades entre o final de 2015 e início de 2016. Após um período de um mês de treinamento, eles foram submetidos a um estágio supervisionado antes de ir a campo. Os colaboradores novos serão identificados com uma sinalização especial quando estiverem nas atividades em campo, e os demais serão treinados para ter cuidado aumentado durante as atividades.

Segurança dos fornecedores

Quando o assunto é segurança, os fornecedores da AES Eletropaulo que atuam na rede elétrica recebem a mesma atenção que os nossos colaboradores próprios. Em 2015, um acidente na subtransmissão culminou no aumento da taxa de gravidade dos acidentes, quando comparado aos anos anteriores.

Nosso maior desafio é reduzir ao máximo as diferenças culturais em relação à segurança, principalmente nos casos de colaboradores contratados que atuam em atividades fim de maior risco, com maior exposição à rede elétrica.

Por isso, priorizamos nessas atividades empresas com maior alinhamento de cultura e valores e visando relações de longo prazo.

GRI EU17 / EU18

Treinamento para motociclistas

Em 2015, realizamos treinamentos de pilotagem preventiva com colaboradores que utilizam a motocicleta como principal meio de transporte para se deslocarem entre casa e trabalho. Essa ação, realizada por uma empresa especializada, trouxe resultados positivos tanto para a empresa quanto para os colaboradores: houve redução de 144 acidentes (2014) para 42 acidentes (2015) envolvendo motocicleta e, como consequência, redução de 2.294 dias perdidos (2014) para 599 dias perdidos (2015) associados a esses acidentes.

Segurança da população

A segurança é uma das prioridades da AES Eletropaulo nas ações voltadas para o consumo consciente de energia elétrica. Somos responsáveis por alertar a população sobre os riscos no contato com a rede elétrica e realizamos investimentos constantes em ações de conscientização com base nas situações e nos perfis de maior risco.

Indicadores de acidentes com a população

GRI EU25

Em 2015, foram investidos R$ 1.054.600,00 em segurança da população.

Em 2015, registramos um número de acidentes fatais 60% superior ao ano anterior. Esse aumento que pode ser atribuído ao avanço das atividades informais de construção civil próximas à rede de energia elétrica, realizadas principalmente nas comunidades de baixa renda.

Para combater essas práticas e prover mais segurança para toda a população, em 2015 realizamos campanhas mais frequentes para conscientizar sobre os riscos do contato com a rede elétrica. As principais foram:

  • Mídia de massa: veiculação de vídeo e spot de rádio sobre riscos de acidente com a rede elétrica, desenvolvido a partir de pesquisas etnográficas com a população de baixa renda mais vulnerável às ocorrências. O vídeo foi veiculado em canais de televisão aberta e rádios em 2015. Devido ao aumento de acidentes verificados no ano, a ação foi reforçada nas telas dos vagões do metrô e trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) na Grande São Paulo.
    • 108 inserções na televisão, 3.472 nas rádios e mais de 300 milhões no metrô e CPTM

  • Redes sociais: na página do Facebook da AES Eletropaulo publicamos dicas de segurança ao longo do ano, e divulgamos as datas de Blitze em bairros específicos.
    • 42 publicações; mais de 700 mil visualizações
  • Blitze de segurança: sem aviso prévio, equipes visitam obras civis e apresentam aos operários um documentário com informações sobre os riscos da rede elétrica e as posturas adequadas para que o trabalho seja feito de maneira segura.
    • 2.137 ações com participação de 14.888 pessoas
  • Palestras de segurança: qualquer cliente pode solicitar uma palestra pelo site da AES Eletropaulo. Realizamos palestras em escolas e empresas, por exemplo.
    • 1.101 ações com participação de 51.847 pessoas
  • Treinamentos para operários da construção civil: também realizados sob demanda por técnicos de segurança da AES Eletropaulo que visitam obras de construtoras para orientar os operários.
    • 37 ações com participação de 5.215 pessoas
Blitze de segurança
Em 2015, a Blitz passou a ser realizada com uma van personalizada, que traz uma simulação 
de uma rede de energia para mostrar as consequências do contato indevido com os fios da 
rede para as pessoas, que chegam a levar “um choque” fictício. A ação ainda conta 
com perguntas que reforçam as dicas de segurança, e um brinde para os participantes.

Em 2015, foram investidos R$ 1.054.600,00 em segurança da população.

Fios de alta tensão e enterramento da rede

O rompimento de fios de alta tensão é uma ocorrência incomum na rede elétrica da AES Eletropaulo e, para tais casos, a rede é preparada para desligar automaticamente a corrente elétrica e evitar acidentes derivados do contato da população com os fios. Para reduzir esse risco ao máximo, investimos constantemente em manutenções regulares e preventivas. Cada acidente é analisado isoladamente para se chegar a um diagnóstico preciso das causas e definir ações de melhorias.

Na região atendida pela AES Eletropaulo há cerca de 2 mil km de circuitos subterrâneos, além de 38 mil km de cabeamento aéreo. Alugamos os postes para empresas de telecomunicação, seguindo uma obrigação prevista por lei, e seguimos rígidas normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que determinam que a fiação elétrica, na configuração de um poste padrão, fique localizada a seis metros de altura do solo.

Embora não seja obrigação da empresa conforme regulamentação que rege o setor elétrico brasileiro, a AES Eletropaulo é favorável ao enterramento da rede área. Defendemos o equacionamento financeiro dessa mudança, bem como a determinação dos responsáveis por esse custeio, para minimizar o impacto na tarifa de energia elétrica para nossos clientes. Em 2011, realizamos um projeto de pesquisa e desenvolvimento para determinar a viabilidade do enterramento da fiação aérea da rede de energia elétrica. O estudo contou com a participação da McKinsey, Fundação Getúlio Vargas, Escola Politécnica da USP e teve pesquisa realizada pelo DataFolha e contempla cenários de enterramento no mundo todo e modelos para um possível enterramento em São Paulo, com opções técnicas, formas de custeio e financiamento, áreas prioritárias e tempo de realização.

Participamos ativamente de discussões com entidades governamentais, setoriais e outras empresas para encontrar soluções para esta questão. Entre os desafios identificados, estão as obras de alto impacto necessárias para o enterramento dos fios e a complexidade do mapeamento das redes subterrâneas de água e gás, entre outras, na área de concessão. Para a realidade de São Paulo, a AES Eletropaulo sugere um modelo a ser aplicado, prioritariamente, no centro expandido. Quanto aos custos, a maior parte seria paga por meio de isenção fiscal, de contribuição de melhoria pelos proprietários das regiões atendidas pela rede subterrânea e por custeio direto da municipalidade nas obras de infraestrutura civil; o restante seria repassado às tarifas de energia elétrica. Estima-se que a rede subterrânea custe de dez a vinte vezes o valor de uma instalação aérea, sendo que aproximadamente 70% do custo é atribuído apenas a obras de construção civil.